Objetivo: Identificar os processos de limpeza e desinfecção de superfícies no ambiente hospitalar na prevenção de infecções cruzadas.

Metodologia: Pesquisa de revisão bibliográfica nas bases de dados Lilacs e Medline. Os critérios de elegibilidade (pré-seleção) foram os artigos encontrados nas bases de dados de 2000 á 2017 em língua portuguesa e inglesa.

Resultados: Ao final foram analisados 16 estudos, foram descartados os que não contemplavam o tema, aqueles que foram encontrados em mais de uma base e os que não foi possível obter na íntegra para definir sobre sua inclusão ou exclusão.

Conclusão: Estudos mostram que patógenos causadores de infecções podem sobreviver por muito tempo em superfícies e podem se tornar fonte de contaminação caso a limpeza e desinfecção não seja eficaz. Dessa forma, tem que se ter uma atenção maior para remover antes a matéria orgânica presente nas superfícies, pois elas inviabilizam os produtos utilizados para a desinfecção. A contaminação das superfícies pode ser reduzida pela limpeza de rotina do ambiente. Por vezes por parecer limpo a descontaminação de superfícies pode ser insatisfatória, sendo necessário a aplicação dos métodos de limpeza e desinfecção de superfícies e equipamentos hospitalares existentes e o aprimoramento das técnicas e produtos utilizados, além da higienização das mãos antes e após o contato com os pacientes, pois as mãos ao tocarem em superfícies contaminadas disseminam o patógeno pelo ambiente hospitalar.

 

Autora: Thalita Tertulino dos Santos

 


Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.