O objetivo deste trabalho foi verificar a adesão de higiene das mãos dos profissionais envolvidos com a assistência em saúde de um hospital de trauma antes e após intervenções nos cinco momentos preconizados pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Após a primeira observação, foram realizadas ações para aumentar a adesão: reuniões com as chefias dos setores, campanhas educacionais, capacitações sobre higiene de mãos, programa de incentivo para as equipes que atingissem a meta de 60% e aumento de dispensadores de álcool.

Foram realizadas 3174 observações, sendo 1467 no período pré-intervenção e 1707 no período pós-intervenção. A adesão geral dos períodos foi de 37,7% e 52,5% antes e após intervenção respectivamente, representando um aumento de 14,8%. Quanto a adesão por categoria profissional antes e após intervenção o resultado foi: enfermeiro 42,6% e 67,5%, técnico de enfermagem 29% e 45,5%, médico 37,8% e 53,5% e fisioterapeuta 62% e 64%.

Os momentos em que se observou maior adesão foram os momentos após exposição, demonstrando uma maior preocupação com o autocuidado do profissional. A proposta de vigilância e capacitações continuadas garantem o incentivo à prática de higiene das mãos.

 

Autora: Marcelle Rodrigues Schettert

 


Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.