Inicialmente o estudo, pesquisa de revisão bibliográfica em base de dados disponíveis on-line e textos clássicos, mostra os cuidados que profissionais de enfermagem devem apresentar no atendimento em hemodiálise, evitando assim possíveis contaminações. Doentes com doença renal crônica em tratamento apresentam risco aumentado de aquisição do vírus da hepatite.

As unidades de hemodiálise dependem do avanço da tecnologia e estão em constante mudança, exigindo a atualização permanente da equipe para o cumprimento de normas que visam a biossegurança dos pacientes e profissionais. Embora tenha havido um inegável progresso tecnológico nos procedimentos da hemodiálise, uma grande popularização do tratamento, e até mesmo, da redução dos custos da hemodiálise, os riscos de contaminação por doenças infecciosas são apreciáveis.

Em estudos realizados, constatou-se que a hemodiálise é o setor com maior frequência de acidentes, cujos procedimentos são constantes. A segurança dos trabalhadores também depende de cada sujeito reconhecer os riscos presentes no ambiente de saúde. A instalação de medidas preventivas e de controle, visando reduzir ou anular a possibilidade de contaminação, é o recurso fundamental para o controle de qualidade.

O presente trabalho tem como objetivo caracterizar as ações de enfermagem junto aos pacientes de hemodiálise, na preocupação de transmissão de infecções; e propor medidas e recomendações de caráter profilático e preventivo sobre a contaminação de um possível contágio infeccioso por hepatite, exigindo a atualização permanente da equipe para o cumprimento de normas que visam a segurança de pacientes e profissionais.

 

Autora: ANDREA KIMIE YAMAMOTO