As doenças oncológicas acometem cerca de 1 a 3% da população infantil, sendo a segunda maior causa de mortalidade desse público no cenário nacional. A atualização científica e as inovações terapêuticas têm contribuído para melhores taxas de sobrevida e cura, tornando as infecções a maior causa de morbi-mortalidade dessa população, sobretudo a incidência de doença fúngica invasiva (DFI) em pacientes imunocomprometidos oncológicos.

Dessa forma, a prevenção da DFI em pacientes com doenças hematológicas malignas e submetidos ao transplante de células tronco hematopoiéticas é uma ferramenta importante de cuidado na prevenção de infecções e agravos, especialmente daqueles pacientes expostos aos ambientes de risco.

O presente estudo visa analisar em literatura já publicada a descrição da ocorrência de DFI nessa população e verificar os fatores relevantes para a aquisição de doença fúngica invasiva no ambiente hospitalar visando contribuir na implementação das medidas intervencionistas com impacto de redução da incidência de DFI nos pacientes oncológicos pediátricos.

 

Autora: LETÍCIA MARIA ACIOLI MARQUES