A Tuberculose como doença prevenível e curável, representa uma ameaça à saúde pública em todo o mundo. Diante de tal constatação, investigou-se na produção científica desenvolvida nos últimos dez anos as estratégias preconizadas para o controle e a prevenção da transmissão da Tuberculose nosocomial no ambiente intra-hospitalar.

Para tanto, considerou-se pertinente a realização de um estudo bibliográfico de revisão integrativa a partir de buscas de artigos indexados na base de dados LILACS, no período de 2002 e 2012, o que culminou na seleção de 10 publicações, cujos resultados apontaram três categorias temáticas: medidas administrativas para o controle da transmissão nosocomial da Tuberculose; medidas ambientais para a prevenção de Tuberculose ocupacional; e medidas de proteção individual dos trabalhadores.

Dentre essas, as medidas administrativas são consideradas como as mais importantes, devendo preceder a quaisquer outras medidas, por compreenderem a triagem dos casos positivos e tratamento em tempo oportuno, além da avaliação do risco de infecção na instituição e controle periódico do estado de saúde dos profissionais e treinamento contínuo dos mesmos sobre os meios de transmissão e prevenção da infecção causada pelo bacilo de Koch. Oferecem, portanto, proteção a todos os indivíduos que frequentam um serviço de saúde, incluindo profissionais e usuários.

 

Autoras: ENI HILÁRIO DA SILVA e RAQUEL CARNEIRO