A sífilis congênita ainda é considerada um importante problema de saúde pública, apesar de tratar-se de uma doença de fácil diagnostico e evitável, quando o tratamento da gestante e de seu parceiro é realizado adequadamente. O agente etiológico da sífilis foi descoberto por Fritz Richard Schaudinn e Paul Erich Hoffman em 1905, trabalhando em Berlim. O Treponema pallidum sub-espécie pallidum é um dos quatro patógenos do gênero Treponema que causam doenças em seres humanos.

O exame para identificação mais utilizado no nosso meio é o teste do VDRL. A transmissão do agente se dá de pessoa a pessoa, durante o contato sexual, na maior parte dos casos. A transmissão pode ocorrer, também, pela via transplacentária para o feto e pela contaminação no canal de parto. A sífilis na mulher que engravida pode causar o abortamento, a morte intrauterina, levar ao óbito neonatal ou deixar seqüelas graves nos recém-natos.

O objetivo foi identificar os dados de exames de VDRL em gestantes de laboratório privado de porto alegre/RS. Trata-se de uma pesquisa quantitativa descritiva, realizada através da revisão de literatura acerca do assunto Sífilis em Gestantes.

Foram atendidos no período de janeiro de 2016 a junho de 2017, no laboratório privado 1411 gestantes, com solicitação para realização do exame de sífilis. Foi feita a investigação quanto a sorologia para sífilis, pelo método de VDRL.

De um total de 1411 gestantes atendidas, 219 apresentaram o teste de VDRL reagente . A prevalência foi de 15,52%.

Os esforços na eliminação desta doença devem continuar. Apesar de algumas limitações estatísticas monstra nos a importância do screening pré-natal para sífilis durante a gestação.

 

Autoras: Samanta Siqueira Betat e Tatiane Costa de Andrades

 


Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.