Calcular a sensibilidade, especificidade, valores preditivos positivo e negativo e razão de verossimilhança da proteína-C reativa (PC-r) e parâmetros hematológicos em neonatos com infecção primária da corrente sanguínea.

Avaliação de método diagnóstico realizado de 2008 a 2010. Dos 86 neonatos acompanhados 43 não sépticos e 43 com sepse comprovada. O percentual total de neutrófilos >65 (p=0,001, S=45,2%, E=86%, VPP= 76%, VPN=62%, RVS: (+) 3,24, (-) 0,64), o percentual de neutrófilos imaturos >10 (p=0,001, S=47,6%, E=90,7%%, VPP= 83,3%, VPN=63,9%, RVS: (+) 5,11, (-) 0,57), índice neutrofílico (I/N) >0,13 (p=0,000, S=54,8%, E=86%, VPP=77,4%, VPN=65,7%, RVS: (+) 3,51, (-) 0,51) e a dosagem sérica da PC-r> que 1,0 mg/dl (p=0,000, S= 88,1%, E=93%, VPP=90,5%, VPN=88,6%, RVS: (+) 9,5, (-) 0,12) mostraram-se os melhores pontos de corte para o diagnóstico de sepse neonatal tardia. A análise da dosagem sérica de PC-r e do I/N sugerem as melhores acurácias para o diagnóstico da sepse.

 

Autoras: Carolina Roella Costa & Danielle Vaz Leão