Os acidentes ocupacionais ocasionados por materiais pérfuro-cortante entre os trabalhadores de enfermagem são frequentes, devido ao número elevado da manipulação com agulhas, e tais riscos representam prejuízos tanto para os trabalhadores quanto para a instituição.

 

Objetivo: identificar o perfil dos acidentes de trabalho com material biológico envolvendo a equipe de enfermagem.

Método: revisão bibliográfica nas bases de dados Pubmed e Lilacs.

Pesquisa realizada em junho de 2014, com os descritores do DeCS e do MESH (occupational accident or working accidents and body fluids and team nursing or occupational nursing), em periódicos encontrados no período de 2004 a 2014, em língua portuguesa, inglesa e espanhola. Resultados: foram encontrados 22 resumos e selecionados 12 para análise na íntegra. A prevalência de acidentes de trabalho com material biológico foi ncontrada em três estudos que verificaram 53,1%, 29,4% e 19,8%, respectivamente. Auxiliares e técnicos de  enfermagem do sexo feminino são os profissionais que mais se acidentam.

O tipo de acidente mais frequente é o perfurocortante e os procedimentos identificados como mais frequentes foram: punção venosa, punção digitálica, administração de medicação endovenosa e intramuscular. As principais causas descritas foram: falta de atenção, agitação do paciente, sobrecarga de trabalho, descarte inadequado, falta do uso de equipamento de proteção individual, falta de uso de dispositivos de prevenção e reencape de agulha.

Conclusão: a maioria dos acidentes ocorre com técnicos e auxiliares de enfermagem, do sexo feminino através de procedimentos com material pérfurocortante. Verifica-se a necessidade de treinamentos sobre a importância da precaução padrão e como utilizá-la para evitar acidentes ocupacionais além de intervenções relacionadas ao descarte adequado e a difusão da cultura da notificação dos acidentes de trabalho.

 

Autora: Luciana Inada Senyer Lida

 


Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.