A Organização Panamericana de Saúde (OPAS) acabou de lançar um manual com orientações para prevenção e controle das infecções hospitalares, com edição em espanhol. É muito importante que entidades como OMS e OPAS voltem novamente seu olhar para a prevenção e controle das infecções.

Foi a OPAS, que por meio de uma oficina realizada no início dos anos 80, desencadeou as iniciativas ministeriais brasileira para regulamentar o controle de infecção. Este documento enfatiza, em sua introdução, a necessidade de se elaborar estratégias baseadas em evidências científicas, mas que mudem condutas profissionais e a própria cultura organizacional. Todos estes temas já são discutidos, inclusive em módulo específico, no nosso curso desde 2003 e estamos aperfeiçoando progressivamente essa competência de nossos alunos, para eles fazerem diferença tanto no controle de infecção, como na gestão dos serviços de saúde.

Este documento recomenda que se elaborem diretrizes que tenham: caráter oficial, logo referendadas pela autoridade máxima da instituição; adaptem as melhores evidências científicas à realidade institucional e regulamentações nacionais; instruções precisas e clara, incluindo medidas obrigatórias; ampla divulgação e disponibilidade para orientar as práticas profissionais e as ações de supervisão; sejam atualizadas periodicamente e tenham recursos financeiros para sua realização.

O documento também enfatiza a importância de incorporar a cultura de segurança nos profissionais e na instituição. A cultura organizacional se refere a práticas, crenças, símbolos, rituais, valores e expectativas sobre o que se considera correto, com reflexo nas práticas cotidianas. Seu desenvolvimento depende de um clima de aprendizagem contínua, principalmente dos riscos inerentes à atividade profissional e de como preveni-los. Neste aspecto é muito importante encontrar e valorizar lideranças formais e informais na instituição, criando um ambiente não punitivo, estimular o trabalho em equipe, fixar metas e valorizar iniciativas para soluções dos desafios encontrados.

 

Dentre os tópicos abordados destacamos: higiene das mãos; precauções padrão e especiais; risco biológico; equipamentos de proteção individual; higiene, limpeza e desinfecção ambiental; lavanderia hospitalar; bactérias multirresistentes e gestão de antimicrobianos.

 

Comentado por: Antonio Tadeu Fernandes. Documento original em anexo.