Objetivos: Avaliar a execução do PGRSS pela equipe de saúde nas unidades de internação de um hospital de referência em tratamento de pacientes com doenças infectoparasitárias, tisiologia e pneumologia.

Método: trata-se de um estudo observacional, de caráter transversal e descritivo.

Resultado: podemos observar que em todas as unidades de internação as lixeiras e contentores estavam identificados corretamente e que a não conformidade mais grave foi identificar o resíduo infectante acondicionado em lixeira de resíduo reciclável.

Conclusão: A questão dos RSS está diretamente relacionada com a sua patogenicidade, porém sabemos que em meio de todo esse resíduo podemos ainda reciclar, desde que seja acondicionado corretamente. Para isso temos que contar com o bom senso dos indivíduos participantes ativo do processo e investir muito em educação, capacitações e treinamentos para todos. Pois o sucesso do PGRSS depende de uma boa segregação dos resíduos na fonte.

 

Autora: CHRISTIANY ZANZI

 


Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.