Inscreva-se já.

Infecções do trato urinário após remoção de cateter são uma das causas mais frequentes de infecção hospitalar e podem levar a um excessivo custo, complicações ou até mesmo mortalidade. O objetivo do estudo foi investigar a eficácia da profilaxia antibiótica para infecções do trato urinário (UTIs) após a extração de cateter urinário e explorar a associação entre o resultado e as características clínicas dos pacientes que potencialmente podem se beneficiar de tal prática.

Qual a justificativa do estudo?
Infecções do trato urinário após remoção de cateter são uma das causas mais frequentes de infecção hospitalar e podem levar a um excessivo custo, complicações ou até mesmo mortalidade. Não há consenso sobre a utilização de profilaxia antibiótica após extração de cateteres – por exemplo, a American Urological Association propõe a utilização da profilaxia após remoção em pacientes de populações de alto risco enquanto a Infectious Disease Society of America não recomenda a administração de antibióticos com caráter preventivo após extração de cateter.

Qual o objetivo do estudo?
O objetivo do estudo foi investigar a eficácia da profilaxia antibiótica para infecções do trato urinário (UTIs) após a extração de cateter urinário e explorar a associação entre o resultado e as características clínicas dos pacientes que potencialmente podem se beneficiar de tal prática.

Qual metodologia foi empregada?
Foram pesquisados sistematicamente os bancos de dados PubMed, Cochrane Library, EMBASE e ClinicalTrials.gov até março de 2020. Os estudos foram incluídos se investigassem a profilaxia antibiótica para UTIs após a extração de um cateter urinário temporário (≤14 dias). Foram utilizados modelos de efeito fixo para obter estimativas de razão de risco combinadas (RR). A heterogeneidade foi avaliada com o valor I2. A análise de sensibilidade e análise de subgrupo também foram realizadas para avaliar a heterogeneidade. Dos 553 estudos encontrados, foram selecionados apenas 8 após esta cuidadosa avaliação.

Quais os principais resultados?
Foram incluídos 8 ensaios clínicos randomizados. Apenas 2 estudos mostraram que a profilaxia antibiótica pode reduzir as UTIs após a extração de cateteres urinários, enquanto 6 não o fizeram. No geral, a profilaxia antibiótica foi associada a UTIs reduzidas. A análise de subgrupo indicou que os pacientes com mais de 60 anos, que receberam trimetoprima (TMP)/sulfametoxazol (SMX) ou que tiveram cateteres permanentes (>5 dias) podem obter mais benefícios de profilaxia antibiótica após extração.

Quais as conclusões e recomendações finais?
Os autores concluem que pacientes com cateteres removidos podem se beneficiar da profilaxia antibiótica; especialmente aqueles que têm idade avançada (mais de 60 anos) ou cateterismo de longo prazo (mais de 5 dias). TMP / SMX pode ser uma boa escolha de profilaxia para UTIs após a extração de cateteres urinários.
O resultado da metanálise foi de um RR de 0,47 (0,32 a 0,71), favorável significativamente à profilaxia em pacientes de alto risco.
Essa abordagem, contudo, deve ser aplicada a pacientes de alto risco (idade avançada ou cateterismo de longo prazo) devido ao potencial dano por agentes antibacterianos generalizados, como efeitos colaterais e resistência bacteriana.

Que críticas e observações finais?
Ressalto que os autores aplicaram uma estratégia de pesquisa transparente – disponibilizada no material suplementar – e sem limitação linguística. Além disso, a extração de dados realizada por 2 pesquisadores independentemente e depois discrepâncias debatidas. Por fim, o artigo apresenta boa utilização e disposição dos resultados das análises estatísticas e epidemiológicas.
Fonte: Liu L, Jian Z, Li H, Wang K. Antibiotic prophylaxis after extraction of urinary catheter prevents urinary tract infections: A systematic review and meta-analysis. Am J Infect Control. 2021 Feb; 49 (2): 247-254
Sinopse por: Maria Julia Ricci

Contato: [email protected]



Ficou interessado? Conheça nossos cursos MBA's e Express