Promoção Juho Azul Celeste - Inscrição por apenas R$ 50,00 e mensalidades por apenas R$ 200,00

Atualmente diversos métodos são utilizados para prevenir CRBSI, incluindo a utilização de antissépticos – como gluconato de clorexidina (CHG), iodopovidona (PVI) e álcool – na pele, porem a eficácia dessas soluções ainda permanece desconhecida. O estudo teve como objetivo comparar a eficácia das diferentes concentrações de CHG e PVI em pacientes com um CVC ou cateter arterial, e identificar uma associação com a incidência de CRBSI e colonização do cateter.

Qual a justificativa do estudo?

Pacientes crônicos são frequentemente submetidos a inserção de cateter venoso permanente (Central Venous Catheter) CVC) ou cateter arterial para acesso vascular. Contudo, cateteres permanentes são associados com diversas complicações, sendo a mais séria as infecções de corrente sanguínea relacionas a cateter (Catheter Related Blood Stream Infection – CRBSI). Atualmente diversos métodos são utilizados para prevenir CRBSI, incluindo a utilização de antissépticos – como gluconato de clorexidina (CHG), iodopovidona (PVI) e álcool – na pele, porém a eficácia dessas soluções ainda permanece desconhecida.

Qual o objetivo do estudo?

O estudo teve como objetivo comparar a eficácia das diferentes concentrações de CHG e PVI em pacientes com um CVC ou cateter arterial, e identificar uma associação com a incidência de CRBSI e colonização do cateter.

Qual metodologia foi empregada?

Este estudo avaliou ensaios clínicos randomizados (Randomized Clinical Trials – RCT) comparando os agentes antissépticos CHG e PVI em pacientes com ≥18 anos que foram admitidos em um hospital devido a uma doença crônica e que possuíam CVC ou cateter arterial. Estudos que compreendiam hemodiálise foram excluídos.

Foram incluídos RCTs que comparam um único agente antisséptico para pele (qualquer tipo com base em CHG ou PVI) com outro agente, placebo ou não antisséptico.

O resultado primário foi a taxa de CRBSI, e o secundário foi a taxa de colonização do cateter. Foi realizada uma meta-análise de rede por meio de uma abordagem baseada em frequência com efeitos aleatórios multivariados; foram utilizados forest plots e o tamanho do risco relativo (RR) foi expresso com intervalo de confiança de 95%.

Quais os principais resultados?

A pesquisa inicial produziu 1.511 publicações, das quais 5 – com um total de 2915 cateteres – foram incluídos na rede de meta-análise.

O risco de CRBSI foi significativamente menor com solução CHG-álcool 1% do que com a mesma solução a 0.5% ou com 10% PVI-aquoso. Não houve diferença significativa no risco de CRBSI entre CHG-álcool 1% e CHG-aquoso 2% ou outras soluções antissépticas. A hierarquia de eficácia na redução de CRBSI foi: CHG-álcool 1%, CHG-álcool 0.5%, CHG-aquoso 2% e PVI-aquoso 10%.

Quais as conclusões e recomendações finais?

Com base nos estudos analisados, os agentes antissépticos baseados em CHG-álcool com 1% de concentração foram mais fortemente associados a redução do risco para CRBSI.

Quais as limitações do estudo?

Os autores ressaltam as seguintes limitações:

– a inclusão de pacientes com diferentes tipos de cateteres pode ter gerado heterogeneidade e modificadores significantes

– foram incluídos apenas estudos que utilizaram uma única solução antisséptica; sendo assim, estudos que analisam a combinação de diferentes agentes foram excluídos podendo criar um viés de seleção

– apenas 5 estudos foram incluídos, de modo que a amostra pode ser insuficiente

Que críticas e observações?

Estudo claramente estruturado e com análises relevantes. A validação de estratégias preventivas com base em evidências práticas é um trabalho muito importante que pode ter impacto muito relevante sobre a prática e os resultados de atividades clínicas. Esse estudo analisa de forma muito objetiva uma das frontes de possível melhora na prevenção de CRBSIs. Infelizmente não foram incluídos estudos com a solução alcoólica de PVPI.

Fonte: Masuyama T, Yasuda H, Sanui M, Lefor AK. Effect of skin antiseptic solutions on the incidence of catheter-related bloodstream infection: a systematic review and network meta-analysis. J Hosp Infect. 2021 Apr;110:156-164.

Sinopse por: Maria Julia Ricci

Email: [email protected]

Linkedin: www.linkedin.com/in/mariajuliaricci/

Instagram: @mariajuliaricci_

 

TAGs:



Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.