Promoção Juho Azul Celeste - Inscrição por apenas R$ 50,00 e mensalidades por apenas R$ 250,00

Resistencia antimicrobiana tem aumentado significativamente nos últimos anos. A OMS e outras instituições de peso tem buscado a ação coordenada entre setores governamentais e sociedade e para além das fronteiras nacionais que seja minimizada a emergência e disseminação de resistência antimicrobiana a nível mundial. O objetivo da enquete foi caracterizar as atitudes dos profissionais de saúde da UE frente as questões relacionadas identificação precoce de infecção por patógenos resistentes a carbapenem e o gerenciamento ideal dos pacientes afetados; de forma a permitir a oferta de recomendações informadas para o gerenciamento dessa crescente ameaça.

Qual a justificativa do estudo?

Resistencia antimicrobiana tem aumentado significativamente nos últimos anos. Tornando-se um problema de saúde publica associado com o aumento das complicações relacionadas a infecção assim como a níveis excessivos de mortalidade e de custos relacionados a cuidados de saúde. Em particular, a resistência aos carbapenens em bactérias Gram negativas está associada a infecções graves em ambiente hospitalar e frequentemente desafiadoras de serem tratadas.

A OMS e outras instituições de peso tem buscado a ação coordenada entre setores governamentais e sociedade e para além das fronteiras nacionais que seja minimizada a emergência e disseminação de resistência antimicrobiana a nível mundial. Apesar de estar na lista de patógenos prioritários, não existe atualmente uma política de rastreio uniforme ou conjunto de critérios acordado na União Europeia para informar as decisões de tratamento de infecções causadas por bactérias Gram negativas resistentes aos carbapenem.

Qual o objetivo do estudo?

Desenvolver uma série de declarações de consenso para inquirir especialistas em resistência aos carbapenens, para identificar potenciais semelhanças e diferenças na UE e entre especialidades. O objetivo da enquete foi caracterizar as atitudes dos profissionais de saúde da UE frente as questões relacionadas identificação precoce de infecção por patógenos resistentes a carbapenem e o gerenciamento ideal dos pacientes afetados; de forma a permitir a oferta de recomendações informadas para o gerenciamento dessa crescente ameaça.

Qual metodologia foi empregada?

Foi utilizada uma metodologia Delphi modificada para a elaboração de uma pesquisa com 43 declarações, cobrindo seis tópicos principais (como definido por experts) relacionados a organismos resistentes aos carbapenem: triagem microbiológica; diagnóstico; implementação de controle de infecção; stewardship de antibióticos; uso de recursos; e influência de políticas (policies).

A pesquisa foi enviada primariamente por e-mail de forma mirada aos profissionais relevantes na área e posteriormente disponibilizada em alguns eventos da área. Os participantes indicaram grau de concordância com base em uma escala Likert de 4 pontos. Consenso foi considerado alto se >66% e muito alto de >90%. As respostas foram analisadas por uma empresa especializada na análise de Delphi (Triducive).

Quais os principais resultados?

No total, 136 respostas foram recebidas – 66% especialistas em doenças infecciosas, 18% microbiologistas, 11% especialistas em terapia intensiva, 4% outros/desconhecidos – provenientes da França, Alemanha, Grécia, Itália, Espanha e Reino Unido. Níveis de concordância altos ou muito altos foram observados em todas as 43 declarações de consenso, indicando um bom alinhamento em relação à identificação precoce e ao manejo ideal da infecção devido a organismos resistentes aos carbapenem.

Quais as conclusões e recomendações finais?

Os autores oferecem as seguintes recomendações: (1) a triagem é necessária quando um paciente pode ter sido exposto ao sistema de saúde em países/hospitais onde os organismos resistentes aos carbapenem são endêmicos; (2) ferramentas de diagnóstico rápido devem estar disponíveis em todas as instituições; (3) todas as instituições devem ter uma política específica para o controle de organismos resistentes aos carbapenem, que seja auditada rotineiramente; (4) estratégias claras são necessárias para definir o uso apropriado e inapropriado de carbapenêmicos; (5) financiamento prioritário deve ser alocado para o manejo de infecções causadas por organismos resistentes aos carbapenem; e (6) cooperação internacional é necessária para reduzir a transmissão de organismos resistentes aos carbapenem de país para país.

Quais as limitações do estudo?

Os autores elucidam as seguintes limitações: potenciais fontes de viés, como a seleção não-randomizada de participantes e preferência de profissionais atuantes em doenças infecciosas e microbiologia em comparação a outras áreas; representatividade limitada das instituições de proveniência dos participantes em comparação ao total de instituições europeias.

Que críticas e observações finais?

Estudo extremamente bem planejado e executado. Ressalto a importância dos diversos passos metodológicos do início da elaboração da pesquisa até a apresentação das recomendações finais; os pesquisadores – extremamente qualificados e selecionados a dedo – não partem de um pré suposto empírico, mas iniciam buscando conhecer a realidade de interesse por meio do questionário elaborado. Apenas após a análise criteriosa dos dados coletados por terceiros é que são realizadas inferências de possíveis práticas.

Essa pesquisa muito bem estruturada foi possibilitada – i.e. iniciada e apoiada – por 9 experts da Shionogi B.V. de 6 países europeus; foi também realizada seleção criteriosa dos pesquisadores envolvidos em todos os níveis. São diversos os fatores que tornam esse artigo sólido e relevante entre os quais – mas não apenas – o suporte financeiro e logístico viabilizado pelo apoio da empresa.

Fonte: Bedos JP, Daikos G, Dodgson AR, Pan A, Petrosillo N, Seifert H, Vila J, Ferrer R, Wilson P. Early identification and optimal management of carbapenem-resistant Gram-negative infection. J Hosp Infect. 2021 Feb; 108: 158-167

Sinopse por: Maria Julia Ricci

Contato: [email protected]



Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.