Inscreva-se já.

O estudo teve como objetivo identificar os impactos da adoção de uma checklist – implementada no âmbito de um programa de segurança cirúrgica de acordo com as diretrizes da WHO de 2010 – sobre os indicadores de SSI, o consumo de antimicrobianos, as taxas de resistência antimicrobiana, os custos hospitalares e a mortalidade hospitalar.

Qual a justificativa do estudo?

As infecções de sítio cirúrgico (SSI) são uma das complicações cirúrgicas mais serias, sendo associadas com maior morbidade, mortalidade, período de internação, readmissão e maiores custos. No Brasil, as SSI são o terceiro tipo mias comum de infecção relacionada aos cuidados à saúde (HAI), correspondendo a 15% dos pacientes hospitalizados. Sendo as consequências deste tipo de infecção significantes e a ocorrência evitável, pacotes de medidas e checklists foram desenvolvidas como medidas preventivas.

Qual o objetivo do estudo?

O estudo teve como objetivo identificar os impactos da adoção de uma checklist – implementada no âmbito de um programa de segurança cirúrgica de acordo com as diretrizes da WHO de 2010 – sobre os indicadores de SSI, o consumo de antimicrobianos, as taxas de resistência antimicrobiana, os custos hospitalares e a mortalidade hospitalar.

Qual metodologia foi empregada?

Foi realizado um estudo de controle de caso com pacientes adultos de um hospital de cuidados terciários privado com 600 leitos no Brasil entre janeiro de 2006 e dezembro de 2014.

Os pacientes com SSI (caso) foram pareados com pacientes cirúrgicos que não desenvolveram infecção (controle) e comparados por meio dos registros clínicos para a compreensão de consumo de antimicrobianos, custos e resultados clínicos.  As infecções do sítio cirúrgico foram classificadas como incisional (superficial ou profunda) ou de órgão/cavidade. Foram realizados culturas e testes de susceptibilidade antimicrobiana, e os resultados foram classificados como suscetível, resistente ou intermediário. Para o cálculo dos custos foram utilizados os dados do departamento financeiro do hospital.

Quais os principais resultados?

No total foram seguidos 2050 participantes, 1025 pares. Foi notada significante redução da incidência de SSI quando a checklist foi utilizada.

Os fatores preditores independentes de SSI identificados foram: duração cirúrgica de mais de 4 horas, diabetes ou doença gastrointestinal pré-existente, cirurgia de transplante de órgãos, status de ferida contaminada ou infectada, transfusão de produtos sanguíneos, e profilaxia perioperatória antibiótica por mais de 48 horas.

Foi observada redução significativa da resistência antimicrobiana para patógenos ESKAPE, de 96% em 2008 para 65% em 2014. As únicas exceções foi a resistência de K. pneumoniae a carbapenem de 5 para 36.4% e a de S. aureus a clindamicina de 36.1% para 63.2%.

Por fim, houve redução da mortalidade hospitalar foi de 6.4% para 3.2%, mas não nos custos.

Quais as conclusões e recomendações finais?

Os autores concluem que a implementação da checklist cirúrgica levou a uma significante redução das SSI, aumentada estandardização, melhoria da cultura de segurança, e reduzida resistência antimicrobiana.

Quais as limitações do estudo?

Os pesquisadores elucidam algumas limitações. A primeira é que não foi realizado acompanhamento após a alta dos pacientes. Além disso, o consumo de antibióticos foi analisado de modo global, sem distinguir profilaxia e terapia. Por fim, o estudo foi retrospectivo e não foram aplicados modelos específicos para a análise de custos.

Que críticas e observações?

Este é um estudo muito interessante pois analisa os efeitos causados pela implementação de uma checklist no processo de prevenção de infecção em um contexto hospitalar nacional. Os autores fizeram escolhas adequadas de amostragem e parâmetros de análise, e os dados são apresentados de forma muito clara. Os resultados elucidam como estratégias de baixo ou nenhum custo podem influenciar positivamente a qualidade dos cuidados de saúde e a prevenção de infecções nos cuidados a saúde.

Fonte: de Almeida SM, de Menezes FG, Martino MDV, Tachira CR, Toniolo ADR, Fukumoto HL, Edmond MB, Marra AR. Impact of a surgical safety checklist on surgical site infections, antimicrobial resistance, antimicrobial consumption, costs and mortality. J Hosp Infect. 2021 Oct;116:10-15

Sinopse por: Maria Julia Ricci

E-mail: [email protected]

Linkedin: www.linkedin.com/in/mariajuliaricci/

Instagram: @mariajuliaricci_



Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH, CME e EQS