Inscreva-se já.

Apesar dos incentivos governamentais na Inglaterra para reduzir as taxas de readmissão nos 30 dias após alta hospitalar, readmissões de emergência tem aumentado. Condições relacionadas a infecções continuam a ser o motivo mais comum para a admissão inicial e para a readmissão nos 30 dias pós alta.  Foi implementado um ‘cartão de informação antibiótica’ para alguns pacientes de alta com o objetivo de diminuir a readmissão nos 30 dias consequentes.

Qual a justificativa do estudo?

Apesar dos incentivos governamentais na Inglaterra para reduzir as taxas de readmissão nos 30 dias após alta hospitalar, readmissões de emergência tem aumentado. Condições relacionadas a infecções continuam a ser o motivo mais comum para a admissão inicial e para a readmissão nos 30 dias pós alta, sendo a prescrição de antibióticos comumente realizada para o tratamento. Com o objetivo de controlar riscos, foi implementado um projeto de melhoria de qualidade que incluiu a introdução de um inédito ‘cartão de informação antibiótica’ para os pacientes que recebem alta da unidade de cuidados agudos.

Qual o objetivo do estudo?

Foi implementado um ‘cartão de informação antibiótica’ durante um período de 9 semanas (novembro a fevereiro de 2020) com o objetivo de diminuir a readmissão nos 30 dias consequentes a alta e as taxas de reincidência devido a mesma infecção após a alta inicial em 75% dos casos. Além disso, objetivou-se melhorar a educação do paciente em relação a sua prescrição antibiótica.

Qual metodologia foi empregada?

O estudo foi realizado no Hospital William Harvey, que possui 42 leitos nas unidades de cuidados agudos e de cuidados ambulatoriais. Foram implementados dois ciclos de Plan-Do-Study-Act (Planejar-Fazer-Estudar-Agir) em uma unidade de cuidados agudos movimentada. Os dados foram coletados usando um software de alta eletrônico e as fichas dos pacientes, assim como questionários telefônicos individuais dos pacientes. As análises estatísticas utilizaram análise de gráfico de tendência (run chart analysis).

Quais os principais resultados?

Os achados iniciais mostraram um nível variável de conhecimento dos pacientes em relação a suas prescrições antibióticas (14-70%) e taxas flutuantes na redução da readmissão em até 30 dias após alta (0-50%). Após a introdução inicial do cartão de informação antibiótica foi observada nos gráficos de tendência uma mudança no nível de conhecimento dos pacientes, com um aumento significativo do nível de conhecimento do paciente sobre a prescrição antibiótica e sua gestão.

Quais as conclusões e recomendações finais?

Não houve mudança significativa nas taxas de readmissão hospitalar após 30 dias; contudo, observou-se uma melhoria significativa no nível de conhecimento de sua prescrição antibiótica. Os autores concluem que é necessário engajar os funcionários para garantir mudanças que promovam uma melhoria de qualidade sustentável na stewardship antimicrobiana nos contextos das unidades de cuidados agudos.

Quais as limitações do estudo?

Os autores citam como limitações:

– impossibilidade de controlar a distribuição apropriada dos cartões de informação antibiótica, já que esta foi realizada por diversos membros da equipe

– questionário telefônico com possível viés devido ao caráter não-anônimo do questionário

– não foi analisada a participação dos funcionários de maneira formal

– não foram coletados parâmetros sociodemográficos dos participantes.

O estudo além das limitações apresentadas pelos autores também teve como limitações importantes o curto tempo (apenas 9 semanas), a baixa adesão no segundo ciclo (apenas 4% dos pacientes elegíveis receberam o cartão) e a ausência de monitoramento do tipo de antibiótico e da adesão correta ao tratamento.

Que críticas e observações?

O estudo parte de uma premissa interessante – que o conhecimento do paciente sobre sua terapia antibiótica pode melhorar a aderência ao tratamento e reduzir a reincidência – contudo muito limitada. Cada dia mais a ciência evidencia o caráter múltiplo e a complexidade dos principais problemas de saúde e, portanto, a visão dos autores sobre o problema foi surpreendentemente limitada. Uma melhor utilização da bibliografia durante a elaboração do estudo poderia ter disso feita, pois são trabalhos muito interessantes e que evidenciam diversos fatores que foram limitações/complicações para o presente estudo.

Ressalto ainda que existe um possível viés com relação a melhora nos conhecimentos do paciente com relação a terapia. Sendo utilizada apenas uma entrevista telefônica e sem anonimato não é possível afirmar que houve uma real melhoria nos conhecimentos desses pacientes. A educação sobre a utilização de antibióticos é muito importante e apesar do estudo buscar melhorá-la não foi planejado de modo apropriado. É fundamental utilizar estratégias de educação mais aprofundadas e que engajem o paciente, mas também a equipe médico-sanitária para que seja realmente eficaz.

Resumidamente, a ideia pode ser interessante, mas o estudo necessita ser aprimorado para obtermos uma real evidência científica desta medida.

Fonte: Sandhu P, Singh S, Soualhi A, Tanwar H. Improving antimicrobial stewardship in an Acute Medical Unit (AMU) during patient discharge following introduction of an antimicrobial information card. Am J Infect Control. 2021 Mar;49(3):355-360

Sinopse por: Maria Julia Ricci

E-mail: [email protected]

Linkedin: www.linkedin.com/in/mariajuliaricci/

Instagram: @mariajuliaricci_



Ficou interessado? Conheça nossos cursos MBA's e Express