Inscreva-se já.

Neste segundo artigo baseado no documento da OMS sobre competências da CCIH destacamos aspectos da elaboração e gestão do programa de controle de infecção e aspectos relacionados a setores de apoio como: higiene e lavanderia hospitalar e gerenciamento de resíduos dos serviços de saúde.

Área: gerenciamento e liderança de programa de IPC 

C1. Gestão e liderança do programa de IPC 

Resumo da competência:

  • Usar estratégias de gestão e liderança para planejar e operacionalizar um programa e/ou equipe de IPC, incluindo considerações de custo-benefício e viabilidade para atingir os objetivos planejados.
  • Desenvolver/adaptar e implementar – com base em evidências – diretrizes de IPC, protocolos operacionais padrão (Standar Operational Procedures – SOPs), recursos de treinamento e ferramentas de monitoramento/auditoria; organizar e prover treinamento e educação para HWs; e realizar atividades de feedback e monitoramento de adesão às recomendações das diretrizes.
  • Usar dados e evidências no processo decisional sobre intervenções de IPC a serem implementadas.
  • Usar habilidades de liderança e comunicação para interagir com equipes, alta administração, HWs, pacientes e familiares, e outros públicos
  • Apoiar a obtenção de infraestruturas de higiene das mãos e de IPC, e aquisição de suprimentos.

Demonstrar conhecimento atualizado e baseado em evidência sobre:

  • Programa, política e orientação de IPC
  • Os benefícios de um programa de IPC ativo – em nível nacional e de unidades – com objetivos e funções claramente definidos, e atividades para prevenção de HAIs e AMR.
  • O papel, responsabilidades e método de funcionamento do comitê e do time multidisciplinar de IPC.
  • Abordagens para o desenvolvimento de políticas e procedimentos, planos estratégicos, procedimentos operacionais, e monitoramento/feedback e estratégias avaliativas em IPC.
  • Elementos de um plano epidêmico de doença infecciosa e suas funções: planejamento de preparação e reposta a emergências em nível local, nacional e regional, incluindo epidemias comunitárias, que podem ser afetadas ou amplificadas no meio da saúde.
  • Liderança e implementação
  • A importância da liderança e coordenação como papel chave da liderança e pessoal de IPC.
  • Estratégias de gerenciamento para planejar e operacionalizar um programa e/ou equipe para atingir os objetivos, incluindo gerenciamento de projetos, análise de custo-benefício e promoção do trabalho em equipe.
  • Princípios fundamentais da ciência da implementação (implementation science), incluindo abordagens de mudança comportamental e os três fatores de uma implementação bem-sucedida (contexto, inovação e destinatários) para projetar uma estrutura para melhorar as atividades de IPC
  • Os elementos de uma estratégia de melhoria multimodal e suas aplicações às intervenções em IPC
  • O ciclo de implementação de cinto etapas da WHO para apoiar qualquer intervenção ou programa de melhoria de IPC:

– Preparação para a ação

– Avaliação inicial

– Desenvolver e executar um plano de ação

– Avaliar o impacto

– Sustentar o programa a longo prazo

  • Equipamentos e cadeias de suprimentos, processos de avaliação de produto para padronização, utilização apropriada e considerações de preço.
  • Comunicação e marketing
  • Os componentes da comunicação e como eles são utilizados para divulgar efetivamente tópicos do IPC
  • Mensagens chave e princípios para difundir efetivamente a importância de programas e práticas de IPC com diferentes audiências.
  • Educação e treinamento
  • Métodos chave para educação e aprendizagem do adulto, incluindo monitorias
  • Áreas chave a serem incluídas no currículo de IPC para o treinamento de pré-graduados, em serviço e pós-graduados em IPC, usando abordagens práticas e baseadas em evidências e métodos de aprendizagem para adultos.
  • Monitoramento
  • Avaliação de risco para identificar perigos (hazards) e riscos relacionados a:

– Localização geográfica, saúde populacional e segurança da população

– Ambiente de atendimento

– Gerenciamento de emergências

– Fatores comportamentais.

Uso de priorização de risco de probabilidade de ocorrência, consequência de ocorrência e nível de preparação para cada risco.

  • Avaliação de abordagens para medir a eficácia de intervenções de IPC e identificar quais atividades do programa de IPC podem ser consideradas como sucesso e quais precisam ser alteradas para melhorar os resultados, com base nas competências essenciais da WHO e seus requisitos mínimos. 

Demonstrar capacidade de realizar ou contribuir com o sucesso de:

  • Programa, política e orientação de IPC
  • Desenvolver um plano de ação – nacional ou local – de IPC por escrito e mensurável com objetivos claros, cronograma, responsabilidades e orçamento e atualizá-lo anualmente por meio do uso de uma estratégia multimodal baseada nas necessidades e avaliação de riscos e nos recursos disponíveis do programa de IPC.
  • Desenvolver um plano para epidemias de doenças infecciosas por escrito e mensurável, com objetivos claros, cronograma, responsabilidades e orçamento, e atualizá-lo anualmente.
  • Desenvolver políticas de IPC – nacionais ou adaptadas a unidade – baseadas em evidência e procedimentos operacionais para fornecer orientações sobre as práticas recomendadas para prevenção de HAIs e AMR.
  • Liderança e implementação
  • Usar habilidades de liderança para direcionar as iniciativas do programa de IPC (por exemplo, processos de avaliação, monitoramento de resultados, planejamento, coaching, treinamento, capacitação etc.)
  • Demonstrar capacidade de resolução de problemas e pensamento crítico ao se deparar com situações que envolvam ameaças infecciosas.
  • Implementar campanhas e estratégias multimodais de melhoria da higiene das mãos no contexto local
  • Implementar intervenções de IPC trabalhando com equipes multidisciplinares e usando estratégias multimodais para planejar e operacionalizar um programa e/ou uma equipe para atingir os objetivos, incluindo gerenciamento de projetos, análise de custo-benefício e promoção do trabalho em equipe.
  • Vincular a equipe local de IPC às autoridades regionais de saúde para ajudar a coordenar a resposta à surtos (surtos na comunidade ou em vários hospitais/unidades), promover a troca de informações e gerar relatórios regulares. Contribuir ou liderar atividades de pesquisa e abordagens de implementação inovadoras, conforme apropriado, dependendo do contexto local.
  • Identificar lacunas e desafios das iniciativas – nacionais ou da unidade – em IPC e necessidades de melhoria com base em recursos locais, epidemiologia e prioridades baseadas nos riscos observados.
  • Coordenar com o departamento de microbiologia para identificar o agente infeccioso e estabelecer uma estratégia de IPC apropriada.
  • Comunicação e marketing
  • Comunicar uma visão de IPC alinhada com as prioridades organizacionais e da força de trabalho e que seja paralela a visão existente de qualidade de atendimento e segurança do paciente.
  • Defender e facilitar a sinergia entre o programa de IPC e outros programas locais, incluindo (mas não se limitando a) segurança do paciente, melhoria da qualidade, administração (stewardship) antimicrobiana e higiene das mãos, por meio da participação em reuniões, fóruns e aproveitando as oportunidades para propor recomendações sólidas de IPC, quando aplicável.
  • Defender o envolvimento da equipe de IPC no desenvolvimento do projeto local, o ambiente construído e o planejamento do orçamento, especialmente na recomendação de equipamentos, pessoal e recursos específicos para o programa de IPC
  • Defender o uso de abordagens de comunicação eficazes para facilitar as interações multidisciplinares com as principais partes interessadas (key stakeholders).
  • Educação e treinamento
  • Desenvolver ou adaptar estratégias e planos de recursos de treinamento de IPC voltados para públicos diferentes
  • Conduzir o treinamento de HWs em IPC usando abordagens práticas e baseadas em evidências, enquanto apoia a educação continua, incluído um papel de mentor para outros profissionais de IPC e equipe clínica.
  • Monitoramento
  • Desenvolver e implementar sistemas de monitoramento viáveis para os principais indicadores de IPC – tanto de processo, quanto de resultado – em nível nacional e da unidade de saúde, com base nos componentes essenciais de IPC da WHO (WHO IPC Core Componentes) e seus requisitos mínimos.
  • Conduzir a avaliação de potenciais equipamentos e suprimentos de IPC com base em critérios avaliativos apropriados com o objetivo de selecionar os produtos mais eficientes clinicamente e custo-efetivos.
  • Implementar um processo para monitorar a qualidade e a quantidade de equipamentos de IPC, sinalização, suprimentos (incluindo dispositivos médicos, desinfetantes químicos e antissépticos etc.) e informações, incluindo materiais de educação e comunicação para permitir que os HWs pratiquem a IPC de forma eficaz de acordo com as políticas do programa de IPC.
  • Disseminar/apresentar as descobertas de auditoria e vigilância de IPC, recomendações de IPC, relatórios anuais e políticas e procedimentos para as partes interessadas relevantes (por exemplo, indivíduos, comitês, departamentos, unidades, academia etc.)
  • Colaborar com as equipes de gestão de risco e melhoria da qualidade e outras partes interessadas para identificar e revisar eventos adversos e sentinela e outros riscos.
  • Monitorar epidemias em potencial ou influxo de doenças infecciosas por meio de vigilância rotineira de internações fornecida pelo departamento de emergência, vigilância sindrômica e vigilância microbiológica, incluindo patógenos emergentes e reemergentes. 

C2. Prevenção e controle das infecções 

Resumo da competência:

  • Desenvolver – ou adaptar – e implementar estratégias baseadas em evidências e diretrizes/POPs para melhorar os cuidados em saúde e prevenir a transmissão de HAIs e AMR, de acordo com as recomendações da WHO para o componente essencial oito (Core componente 8).
  • Em particular, usar uma abordagem baseada no risco para água, higiene e para infraestrutura de gestão de resíduos de saúde e serviços relacionados.
  • Avaliar os riscos de infecção relacionados ao projeto da estrutura física, construção e reforma e fornecer orientações com base em princípios de IPC e de potabilidade da água e higiene.
  • Avaliar os equipamentos IPC e higiene, as necessidades de limpeza ambiental e gestão de resíduos, e monitorar os indicadores de qualidade da água e higiene; apoiar atividades de treinamento em higiene.

Demonstrar conhecimento atualizado e baseado em evidência sobre:

  • Política e orientação
  • O ambiente dos serviços de saúde como uma fonte de infecção, incluindo os patógenos mais frequentes e o impacto relacionado à saúde devido a água, sanitização e higiene inadequadas (por exemplo, falta de gestão de águas residuais como fonte de doença, que causa a disseminação de patógenos resistentes a antibióticos) em instalações de saúde.
  • O componente essencial oito de IPC, relacionado a como o ambiente construído contribui para IPC eficaz.
  • Os princípios de limpeza e desinfecção ambiental, incluindo:
    1. tempos reais de sobrevivência de microrganismos em superfícies ambientais em estabelecimentos de saúde, com base em fatores como temperatura, umidade e tipo de superfície;
    2. produtos de limpeza e desinfetantes; tipos, composição, constituintes, modos de ação, espectro, resistência, efeitos em diferentes superfícies, toxicidade humana;
    3. estratégias e técnicas para realizar a limpeza e desinfecção do ambiente com base na avaliação de risco e nas melhores práticas;
    4. métodos apropriados a serem utilizados ​​para monitorar e fornecer feedback sobre a eficácia da limpeza ambiental;
    5. Serviços de água potável, higiene e requisitos necessários para programas de limpeza ambiental.
  • Os princípios e aspectos operacionais relacionados a um abastecimento de água potável apropriado, incluindo também a coleta, gestão (incluindo drenagem), transporte e eliminação seguros de resíduos de serviços de saúde e questões de saúde ambiental associadas em estabelecimentos de saúde.
  • Os critérios de avaliação de risco de IPC e os princípios-chave para pré, durante e pós-construção de um novo edifício ou para quaisquer demolições ou reformas, levando em consideração fatores humanos e ergonomia que apoiam a IPC, bem como as diretrizes e legislação de construção atuais. Em particular:
    1. princípios do projeto do hospital relacionados ao layout, ventilação e outros aspectos das enfermarias gerais e unidades especializadas, como salas/instalações de isolamento (incluindo sistemas de pressão negativa e positiva), salas de cirurgia (e áreas pré e pós-operatórias imediatas), unidades de hemodiálise, unidade de atendimento à pacientes queimados, departamento de serviços de esterilização ou unidade de endoscopia, serviços de dietética e farmácia etc.;
    2. resultados/indicadores relacionados a IPC e higiene durante o projeto, construção e modificação do ambiente construído;
    3. pacientes, profissionais de saúde e fluxo de resíduos na enfermaria e no hospital;
    4. superfície e características do material que são importantes para a IPC.
  • Padrões e práticas de IPC para lavanderia hospitalar para proteger os trabalhadores da exposição a materiais potencialmente infecciosos durante a coleta, manuseio e separação de roupa suja, que pode estar contaminada com sangue e fluidos corporais ou outro material infeccioso. 

Demonstrar capacidade de realizar ou contribuir com o sucesso de:

  • Política e orientação
  • Desenvolver ou adaptar políticas baseadas em evidências/informadas e adaptadas às instalações e POPs relacionados a um ambiente construído seguro, em particular limpeza e desinfecção ambiental, abastecimento de água adequado e gestão de resíduos de serviços de saúde.
  • Liderança e implementação
  • Otimizar o projeto e o layout das instalações usando os princípios de IPC para ajudar a reduzir e eliminar a transmissão de infecções no que se refere ao ambiente construído (ou seja, materiais de acabamento, colocação da pia, armazenamento de equipamento esterilizado, expurgos, etc.).
  • Em caso de contratação de serviços de limpeza, orientar sobre os padrões de limpeza e requisitos de treinamento (técnicas de limpeza, tipos e diluição de desinfetantes, uso adequado de equipamentos de proteção individual etc.) e solicitar sua fiscalização.
  • Educação e treinamento
  • Desenvolver ou contribuir para o desenvolvimento de recursos de treinamento, estratégias e planos específicos para pessoal de limpeza e lavanderia e trabalhadores ambientais sobre procedimentos adequados de limpeza e desinfecção, incluindo coleta, transporte, separação e lavagem seguras de roupa suja e gerenciamento adequado de resíduos.
  • Realizar ou apoiar a implantação de treinamentos adaptados a diferentes públicos
  • Fornecer treinamento suplementar de acordo com as necessidades identificadas pelas equipes de apoio (por exemplo, gerente do programa de limpeza).
  • Comunicação e marketing
  • Desenvolver mensagens e ferramentas de comunicação adequadas (por exemplo, lembretes) adaptadas a diferentes públicos sobre a importância do ambiente seguro, em particular a limpeza e desinfecção ambiental, o abastecimento básico de água potável, higiene das mãos e instalações de esgoto e resíduos de cuidados de saúde.
  • Envolver-se com as partes interessadas e identificar e trabalhar com os elementos de ligação entre os líderes de higiene, engenharia e outros funcionários relacionados para defender um ambiente seguro.
  • Monitoramento
  • Desenvolver e implementar programas de monitoramento padronizados para garantir que a limpeza ambiental seja conduzida de acordo com as melhores práticas, aplique-a rotineiramente e forneça feedback oportuno para a equipe de limpeza e liderança do programa.
  • Reconhecer e monitorar elementos importantes para um ambiente de cuidado seguro (por exemplo, ventilação adequada em áreas especializadas, ar-condicionado, qualidade da água e outros fatores relacionados ao ambiente construído).
  • Avaliar os riscos de infecção no design, construção e renovação que podem impactar nos ambientes de atendimento ao paciente e fornecer recomendações para reduzir o risco de infecção.
  • Monitorar a implementação de água, limpeza e higiene usando os indicadores básicos para gestão de resíduos de cuidados de saúde e serviços de limpeza ambiental, fornecer feedback ao pessoal relevante e adaptar/refinar estratégias de melhoria.

Continua no próximo artigo

Sinopse por: Maria Julia Ricci

Instagram: @mariajuliaricci_

E-mail: [email protected]



Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH, CME e EQS