Promoção Juho Azul Celeste - Inscrição por apenas R$ 50,00 e mensalidades por apenas R$ 250,00

O surto de Ebola (Ebola Virus Disease – EVD) na Guine, Libéria e Serra Leoa entre 2013-2016 foi o maio da história, com 868 profissionais de saúde entre os contaminados. O gerenciamento seguro de pacientes contaminados por patógenos especiais, como o vírus Ebola, é uma área de foco crítico para o controle da disseminação da infecção. O estudo teve como objetivo avalias a eficácia das práticas de controle de infecção implementadas por meio da realização de testes serológicos para determinar se houve seroconversão assintomática de profissionais de saúde da unidade de biocontenção.

Qual a justificativa do estudo?

O surto de Ebola (Ebola Virus Disease – EVD) na Guine, Libéria e Serra Leoa entre 2013-2016 foi o maio da história, com 868 profissionais de saúde entre os contaminados. Alguns dos indivíduos foram evacuados para centros de cuidados de biocontaminação nos Estados Unidos e Europa. O gerenciamento seguro de pacientes contaminados por patógenos especiais, como o vírus Ebola, é uma área de foco crítico para o controle da disseminação da infecção.

Qual o objetivo do estudo?

Entre 2014 e 2016, 4 pacientes com Ebola e 1 paciente com febre de Lassa (Lassa Fever – LF) foram tratados na Unidade de Doenças Sérias Comunicáveis (SCDU) do Emmory University Hospital. O controle de infecção rigoroso e práticas clínicas de biossegurança foram implementadas para evitar a transmissão nosocomial de EVD ou LF para profissionais de saúde.

O estudo teve como objetivo avalias a eficácia das práticas de controle de infecção implementadas por meio da realização de testes serológicos para determinar se houve seroconversão assintomática de profissionais de saúde da unidade de biocontenção.

Qual metodologia foi empregada?

Durante o período de atendimento aos pacientes os profissionais de saúde do SCDU foram submetidos a análise serológica – foram incluídos profissionais em contato direto com os pacientes e um grupo controle composto por membros que não estiveram em contato com esses pacientes. Além da análise serológica, foi aplicado um questionário com 11 perguntas.

Além disso, durante o período de atendimento aos pacientes e pelos 21 dias consecutivos, todo o pessoal que entrou no SCDU foi obrigado a medir a temperatura corporal e completar um questionário de sintomas duas vezes ao dia.

Foi realizado estudo de anticorpos para EVD e LF no soro de 42 profissionais de saúde. 6 participantes receberam vacinação investigacional com uma vacina de glicoproteína de aceno vírus de chipanzé do tipo 3.

Quais os principais resultados?

O estudo de anticorpos foi realizado em 42 profissionais de saúde, dos quais a maioria foram profissionais de enfermagem em contato direto com os pacientes. 7 dos participantes haviam participado de um estudo experimental de vacinação com uma vacina de glicoproteína de adenovírus de chipanzé do tipo3. 8 participantes relataram quebra de protocolo ou problemas com os EPIs, sendo 7 destes eventos considerados de baixo risco e 1 de risco intermediário.

Nenhum funcionário desenvolveu EVD ou LF. 6 dos participantes que receberam vacina apresentaram altos valores de anticorpos relacionados a glicoproteína de Ebola, mas nenhum apresentou resposta à nucleoproteína de ebola, vp40 ou aos antígenos de LF. O outro participante vacinado não havia recebido a dose de reforço.

Quais as conclusões e recomendações finais?

O estudo demonstrou que é possível gerenciar pacientes com vírus de alto risco de modo eficiente, sem causar infecções sintomáticas ou assintomáticas aos profissionais de saúde envolvidos. Foi demonstrado que pilares fundamentais para tal sucesso são a atenção meticulosa ao controle de infecção, práticas clínicas de biossegurança por pessoal altamente motivado e treinado para o cuidado seguro de pacientes com infecção por patógenos especiais.

Os autores ressaltam também que, apesar dos resultados satisfatórios, é importante implementar no contexto do SCDU uma estratégia eficaz de monitoramento de quebras de protocolo e de problemas com EPIs.

Quais as limitações do estudo?

Os autores não citam limitações ao estudo.

Que críticas e observações?

É importante ter em mente ao analisar os resultados o contexto em que o estudo foi desenvolvido. Não apenas é um estudo monocêntrico, mas é um estudo monocêntrico realizado em um centro altamente especializado para contenção de ameaças biológicas. Terá validade externa para outros contextos assistenciais?

Ainda assim, o estudo demostra a importância de haver protocolos bem estabelecidos de controle de infecção e profissionais preparados – emocionalmente e tecnicamente – para lidar com ameaças de alto risco, como o EBV e LF.

Fonte: Kraft CS, Mehta AK, Varkey JB, Lyon GM, Vanairsdale S, Bell S, Burd EM, Sexton ME, Cassidy LA, Olinger P, Rengarajan K, Raabe VN, Davis E, Henderson S, DesRoches P, Xu Y, Mulligan MJ, Ribner BS; Serious Communicable Diseases Unit (SCDU). Serosurvey on healthcare personnel caring for patients with Ebola virus disease and Lassa virus in the United States. Infect Control Hosp Epidemiol. 2020 Apr;41(4):385-390

Sinopse por: Maria Julia Ricci

Email: [email protected]

Linkedin: https://www.linkedin.com/in/mariajuliaricci/

Instagram: @mariajuliaricci_



Ficou interessado? Veja nossos cursos MBA em CCIH e CME.